Divórcio Litigioso

1.Você sabe o que é um divórcio ?

O divórcio existe quando o compromisso civil do casal é encerrado, através da extinção do vínculo conjugal. A pessoa que se divorcia praticamente volta à vida de solteira e deixa de ter obrigações frente ao ex-cônjuge.



2.O que é divórcio litigioso ?

A palavra “litígio” diz respeito a algo em que não existe acordo. Portanto, podemos concluir que é o fim de um casamento de forma não amigável, ou seja, quando há conflitos entre o casal e isso resulta em uma ação judicial. Dessa forma, haverá um autor - quem pede o divórcio - e o réu, que deverá defender-se desse pedido.



3.Qual a diferença básica entre divórcio consensual e divórcio litigioso ?


A diferença fundamental é que, no consensual, o casal está em comum acordo. Já no litigioso, não há acordo.



4.Quem pode fazer o pedido do divórcio litigioso ?

Somente os cônjuges podem fazer o pedido do divórcio. Caso essas pessoas estejam incapacitadas de realizar o pedido, ele somente poderá ser feito por um curador, preferencialmente pais, irmãos ou filhos dos cônjuges.



5.Divórcio litigioso e suas particularidades:

Muitos são os casos de pessoas que solicitam motivadas pela violência ou por maus tratos (agressões físicas ou morais) que sofrem em casa e que tornam impossível a convivência. Outros motivos são: crimes, má conduta do parceiro, ociosidade, vícios, adultério, ou a ruína do relacionamento. Porém, ao decidir divorciar-se do parceiro(a) por qualquer motivo, consulte um advogado especialista em Direito de Família, antes mesmo de deixar o lar conjugal, a fim de garantir todos os seus direitos.



Quer se divorciar, mas seu(a) parceiro (a) não concorda? Marque uma consulta


Medidas Cautelares

Caso um dos cônjuges necessite, podem ser tomadas medidas cautelares com vistas a evitar que a demora do processo prejudique seu direito. Entre elas destacamos:

  • Separação de Corpos – Permite a um dos cônjuges se afastar do lar sem incorrer na pena de abandono, ou então que o juiz determine o afastamento compulsório de um dos cônjuges da casa;

  • Arrolamento de Bens – Evita que um dos conjugues passem os bens do casal para outras pessoas com o intuito de evitar a divisão (ou partilha) destes bens;

  • Alimentos Provisórios – Permite que o juiz fixe um valor de pensão a ser pago aos filhos e ao cônjuge necessitado;

  • Medidas protetivas de Urgência – Medidas previstas na Lei Maria da Penha com vistas a proteger a mulher que sofre violência doméstica.

Caso necessário, envie a sua mensagem. Teremos o prazer de atendê-lo: